Dicas de SEO para ser facilmente encontrado no Google

  22/Fev

Os sites de busca - ou motores de busca - são importantes fontes para quem procura informações na internet. Com isso, estar no Google é um caminho essencial para quem quer estar presente na internet e extrair o melhor do potencial comercial que a rede pode oferecer.

O Google leva muitas variáveis em consideração para ranquear os sites e conteúdos. São, aproximadamente, duzentos fatores que definem a relevância ou não do seu site, sendo alguns desses aspectos conhecidos e outros secretos.

O que é SEO?

O Search Engine Optimization (SEO) é o conjunto de estratégias que tem como objetivo melhorar o posicionamento de um site na página de resultados orgânicos dos mecanismos de busca. O foco do nosso artigo de hoje é o SEO para o Google, apesar de existirem outros motores de busca que também ranqueiam os sites e conteúdos levando em conta a otimização da parte estrutural (on page) e da parte externa do seu site (off page), como o Bing.

O SEO é uma das categorias do Search Engine Marketing (SEM), estratégia de Marketing Digital que pretende promover um site de duas maneiras: otimizando os sites/blogs (SEO) para serem melhor ranqueados nas páginas de resultados (SERPs) e com os links pagos, como o Google AdWords.

O SEO é uma das categorias do Search Engine Marketing (SEM), estratégia de Marketing Digital que pretende promover um site.
O SEO é uma das categorias do Search Engine Marketing (SEM), estratégia de Marketing Digital que pretende promover um site.

Diferenças entre o SEO Google e o SEO Bing

Apesar de cada mecanismo de busca ter as suas particularidades, o SEO que se aplica em um motor acaba refletindo em outro. Enquanto o Google valoriza mais a quantidade de links recebido pela página, o Bing considera mais as keywords do domínio.

Diferenças entre o SEO on page e o SEO off page

A parte do SEO on page é responsável pela otimização interna das páginas, incluindo título, subtítulo, meta description, palavras-chave e URLs. O SEO on page é o conjunto de estratégias que vão contribuir para que o Google te encontre e posicione bem a sua página nas SERPs.

- Título e subtítulo: os títulos e subtítulos, por exemplo, devem conter as palavras-chave, além de seguir a hierarquia h1, h2, h3. Sendo o título o h1 (header 1 ou cabeçalho 1) e os subtítulos header 2, header 3 etc.

- Palavra-chave: se o seu negócio é vender apenas camisas de alfaiataria para empresários e empresárias, por exemplo, você não pode usar palavras-chave genéricas e abrangentes, como a palavra camisa. Caso faça isso, irá atrair todos os tipos de pessoas que estarão interessadas em diversos tipos de camisas. Ao ser mais específico - usando long tail keywords - você captará pessoas alinhadas com o seu negócio, gerando uma boa experiência para o usuário que encontrará exatamente o que está procurando.

- Meta description: já a meta description é o mini-texto que o Google, normalmente, usa quando uma das suas páginas aparece na exibição dos resultados de uma pesquisa. A meta description não influencia no ranqueamento das suas páginas no Google, mas influencia na taxa de cliques (CTR). Ficou clara a relação da meta description com o posicionamento da sua página? Não? Então, acompanhe a nossa linha de raciocínio:

  1. Você produziu uma meta description e inseriu as palavras-chave nela;

  2. Colocou o mini-texto na página desejada;

  3. O usuário pesquisou por um conteúdo relacionado às palavras-chave do conteúdo;

  4. A sua página vai aparecer na SERP;

  5. Como você inseriu as palavras-chave no título da página e na meta description, estas ficaram em negrito e chamarão a atenção do leitor;

  6. O leitor, consequentemente, vai clicar na página por imaginar que ela é a solução dos problemas dele;

  7. Várias pessoas vão passar pelo mesmo processo de pesquisa e, consequentemente, a taxa de cliques da sua página vai ser alta, o que vai contribuir com um melhor posicionamento no Google.

Imagem

- URL: as URLs, que são criadas automaticamente pelo site, também devem ser alteradas e otimizadas. As URLs devem ser diretas e conter o assunto da página. Veja os exemplos:

a) grupoemidia.com/blog/materia/356c&gr3eis

b) grupoemidia.com/blog/materia/como-construir-um-calendario-editorial

Qual das URLs é mais amigável? A segunda né?

Já o SEO off page é o trabalho de otimização externa da sua página, que vai fazer com que mais pessoas conheçam o seu site, por meio de guest posts, interação online com outras empresas do mesmo ramo de atuação e repost do seu conteúdo nas mídias sociais.

Um bom exemplo de SEO off page é a divulgação de um infográfico sobre o marketing de conteúdo em outras mídias sociais. Esse tipo de conteúdo informativo e visual pode gerar muitos compartilhamentos e links para o seu site. A seguir, conheça algumas ações de otimização fora da página:

- Page Rank: um dos fatores utilizados pelo Google chama-se Page Rank. Esse modelo de classificar as páginas tem como princípio fundamental a natureza democrática da internet. Nessas “eleições”, as avaliações são feitas por meio dos links, ou seja, se uma página A carrega consigo um link para a página B, o Google interpreta aquilo como um voto de A para B.

A nota pode variar de 0 a 10, observando a qualidade da página, a quantidade e o contexto de links que ela recebe. Internamente, esse valor é dividido em casas decimais, para que a avaliação seja mais precisa. Além disso, o valor é dado em uma escala logarítmica, ou seja, a distância entre 1 e 2 é muito menor do que a distância entre a nota 3 e a nota 4.

- Link Building: como já dissemos anteriormente, conseguir links para o seu site é uma boa estratégia para o Google avaliar e ranquear melhor a sua página. No entanto, é preciso ser bem estratégico, já que não adianta ter uma página com vários links, mas que levam para um conteúdo de baixa qualidade e que não responda as perguntas do usuário. Segundo o algoritmo, a linkagem tem mais peso quando feita entre páginas que tratam do mesmo assunto. Por isso, é importante ter em mente que a qualidade é muito mais importante que a quantidade.

Imagem

- Domínio: se pesquisarmos pelo termo “enem 2016”, por exemplo, o algoritmo identifica e ranqueia em primeiro lugar o site do Inep, que é o site oficial da prova. Sites com endereço “.gov” também ganham esse mesmo peso. Os sites de notícias muito acessados também agregam um peso diferenciado, ainda mais se você tem um link deles para sua página.

Não tente enganar o Google

Assim como existem as dicas para melhorar o ranqueamento, existe também um manual de condutas não aceitáveis pelo Google. Tentar enganar o algoritmo é conduta passível de punições, que podem ir desde o rebaixamento da página no ranking de pesquisas até a exclusão do buscador. Entre as técnicas proibidas estão:

a) Cloaking, que é rechear de palavras-chave o fundo branco do site e tirar a visibilidade por parte do usuário bem como outras formas de ocultar conteúdo;

b) O uso de links ocultos também contabilizam como técnicas passíveis de punição;

c) Conteúdo repetitivo e páginas com palavras-chave irrelevantes;

d) Páginas de entrada criadas exclusivamente para atender as funções dos mecanismos de pesquisa.

Portanto, para ter uma página de sucesso e que seja bem posicionada nos motores de busca, principalmente o Google, é importante que você invista muito nas ações de otimização interna e externa da página, também levando em conta a experiência do usuário.

E aí, gostou do post de hoje? Então, não deixe de compartilhar esse conteúdo com os amigos que estão sempre querendo saber mais sobre o mundo do Inbound. Até a próxima!